A Pandemia e o Caos

111

Segundo a Teoria do Caos, uma pequenina mudança no início de um evento qualquer pode trazer consequências enormes e absolutamente desconhecidas no futuro. Na origem da teoria está o “efeito borboleta” que sugere que eventos simples e distantes no tempo e no espaço podem estar de alguma forma relacionados (“o bater de asas de uma borboleta no Brasil pode causar um tornado no Texas” é a frase que ficou famosa com a teoria).

Recentemente a cidade holandesa de Amsterdam anunciou que passaria a adotar os princípios do modelo Donut para recuperar a economia pós pandemia. Perto dali, na França, um grupo de artistas e cientistas de várias nacionalidades publicou um manifesto contra a volta ao normal. As duas atitudes tiveram origem nos desafios apresentados pela pandemia do novo Coronavírus, mas esses e outros acontecimentos podem estar mais relacionados do que parecem, agora ou no futuro.

Kate Raworth é uma economista inglesa, da Universidade de Oxford, que há alguns anos pesquisa e divulga novas formas de enxergar a economia. No livro A Economia Donut, ela contesta a ideia de que o objetivo das economias deva ser o crescimento, e defende que o foco deve ser o equilíbrio. Para ilustrar suas ideias, ela usa a imagem de uma rosquinha (o donut), onde o círculo menor (borda interna da rosquinha) representa o mínimo que precisamos para viver, e o círculo maior (a borda externa da rosquinha) representa o limite de recursos do planeta. A meta da economia deve ser colocar todo mundo dentro do donut, num equilíbrio onde todos possam viver dignamente usando de forma sustentável os recursos naturais. Um pouco antes do isolamento social iniciar, a economista foi recebida pela Comissão Europeia, em Bruxelas, para debater suas ideias.

Voltando a Amsterdam. O modelo de desenvolvimento socialmente justo e ambientalmente seguro foi oficialmente adotado pelo município neste mês de maio. A prefeita Marieke van Doorninck, com o apoio da economista Kate, comprometeu-se a abraçar uma nova abordagem econômica para orientar as ações pós pandemia. Entre as muitas mudanças a serem implementadas está a redução do desperdício de alimentos e a reutilização de materiais na construção civil. Mesmo entendendo que a transformação depende do engajamento de muitos governos, e de vários setores, a cidade resolveu agir e fazer a sua parte.

Também no início de maio, o jornal francês Le Monde publicou um manifesto assinado por artistas como Juliette Binoche, Madonna e Robert De Niro, e cientistas, entre eles vários ganhadores do prêmio Nobel, falando sobre a impossibilidade de retornarmos ao normal depois de passada a pandemia. Os signatários alegam que vivemos uma tragédia, que nos obrigou a encarar questões essenciais. Segundo eles, o nosso comportamento de consumo levou o mundo ao colapso, chegamos a um nível insustentável de degradação do ambiente e de desigualdade social. Não podemos voltar a esse “normal”. O momento exige coragem e ousadia para uma transformação radical e inevitável.

É possível que a ação de uma única cidade ou de um pequeno grupo de pessoas mude a maneira de pensar e agir de todos nós? A confiar na Teoria do Caos, existe uma esperança. De certa forma, nosso futuro depende dessas pequenas borboletas.

Tatiana François Motta – economista

Para ler a íntegra do manifesto no Le Monde:
https://www.lemonde.fr/idees/article/2020/05/06/non-a-un-retour-a-la-normale-de-robert-de-niro-a-juliette-binoche-de-joaquin-phoenix-a-angele-l-appel-de-200-artistes-et-scientifiques_6038775_3232.html

Para o artigo sobre Amsterdam:
https://www.theguardian.com/world/2020/apr/08/amsterdam-doughnut-model-mend-post-coronavirus-economy

Para mais informações sobre a Economia Donut:
https://www.ted.com/talks/kate_raworth_a_healthy_economy_should_be_designed_to_thrive_not_grow?language=pt-br