Andarilho descaminhado. Caminho Encontrado

29

Andarilho descaminhado. Caminho Encontrado.

 

Primeiro, pensei que ter dinheiro seria o paraíso.

Mas não tardei em entender que ele apenas me aprisionava em desnecessários cuidados.

 

Depois, acreditei que a fama seria o oráculo de uma vivência festiva.

Mas, em pouco tempo, percebi que ela era um devaneio destemperado.

 

Posteriormente, imaginei que o poder seria a panaceia para minhas angústias.

Mas, rapidamente compreendi que ele era um cativeiro organizadamente libertino.

 

Em seguida, julguei que a justiça seria a balança que equilibraria minha caminhada.

Mas, instantaneamente, visualizei que ela tinha um viés deliberadamente condicionado.

 

Após, sonhei que uma companheira seria a fortuna que embelezaria minha essência.

Mas, velozmente, entendi que ela vinha com sua mísera bagagem de cobranças, demandas e insatisfações.

 

Então, por fim, apesar dos efêmeros e transitórios entusiasmos, alegrias e recompensas de todas as experiências, assim como suas tantas frustrações, dores e desilusões.

Entendi, finalmente compreendi, que somente o conhecimento, o amor incondicional e a verdade brindam ao ser humano um sereno, próspero e ascendente legado.

 

Ou seja, da ignorância às experiências.

Das experiências ao entendimento.

Do entendimento às lúcidas escolhas.

Das lúcidas escolhas à liberdade.

Da liberdade à serenidade.

Da serenidade ao amor.

Do amor ao viver plenamente.

Aqui e agora, plenamente vivo, em todas as experiências. 

 

PS: Para citar este reflexivo Poema:

Cargnin dos Santos, Tadany. Andarilho descaminhado. Caminho Encontrado.