Potencial Humano. Material e Espiritual

28

Potencial Humano. Material e Espiritual.

 Sou uma utopia sutil que, enjaulada neste interessante e magnânimo corpo físico, sonha com a paz, a tolerância e o amor iluminando a existência humana assim como o sol ilumina o planeta terra, isto é, natural e incessantemente.

 

Enquanto isto, também acredito irrevogavelmente que cada pessoa tem o poder de criar tudo o que ela deseja em sua vida, assim como no indelével fato de que as potencialidades são infinitas, isto é, não existe limite para a capacidade humana, o único limite é aquele que a pessoa se auto impõe.

 

O ponto que utilizo para corroborar e enfatizar esta realidade são todas as inovações que os seres humanos já implementaram no mundo desde a sua criação.

 

Se olharmos ao nosso redor, tudo o que existe de exuberante, prático, magnânimo, útil e inspirador na arte, na tecnologia, na música, na literatura, nas estruturas, na poesia, nos processos, etc., foi imaginado e manifestado por pessoas que tinham um sonho muito claro, ideias muito práticas e uma inquebrantável perseverança.

\

No entanto, além desta intensa expansão material, é inegável o aumento da consciência humana na parte psicoemocional e, principalmente, na parte espiritual.

 

Assim sendo, creio que, mais e mais, caminhamos em direção à uma convergência de sabedoria das linhas materiais e espirituais que, quando entendidas e canalizadas de forma una, manifestam o que há de mais nobre, mais humano e mais divino na caminhada humana.

 

E, se cada indivíduo tomar para si a responsabilidade da manifestação de tão natural entendimento, creio que então peregrinaremos com mais força, mais determinação e mais lucidez em direção à uma existência de harmonia, de irmandade e de iluminação da vida no berço desta majestosa Mãe Terra.

 

O potencial é latente, mas a decisão de manifestá-lo é sua, então, qual o caminho que você está escolhendo?.  

 

PS: Para citar esta natural reflexão:

Cargnin dos Santos, Tadany. Potencial Humano. Material e Espiritual.