O Lawrence PowerGirls

253

Desde criança sempre fui inquieto e observador a tudo que me cercava. Sempre questionei o que não entendia, e me revoltava (ainda me revolto) quando a resposta para a minha dúvida não era justa, ou no mínimo plausível.
Desde criança gostei de pintar, desenhar e criar. Foi quando, aos 6 anos de idade, entrei numa escola de desenho. Lembro que eram dois dias da semana, pela manhã, e pra mim eram os melhores dias. Ficava em torno de 1 hora e 30 minutos a 2 horas pintando e ouvindo Mozart ao fundo. Lembro que desde o primeiro dia de aula já deixei claro o meu objetivo e o porquê de eu estar ali: aprender a desenhar, desenhar exclusivamente figura humana.
Conforme fui crescendo, a tinta guache, o nanquim, o giz pastel e o papel pra mim já estavam se tornando obsoletos. Foi quando passei do papel para as telas, pintando a óleo.
Pintei até os 18 anos, idade em que abandonei os pinceis, a minha cidade natal e o ninho em que nasci e cresci. E como um sagitariano nato, alcei voo e fui descobrir o novo, a fim de evoluir e me tornar gente.
Nesses 15 anos vividos fora, muita coisa mudou. É o metabolismo que fica mais lento, as preocupações, os gostos, os boletos, a forma de pensar/agir, enfim, tudo. E junto a todas essas mudanças, veio também a forma de expressar a minha arte, que antes era no papel e na tela. Hoje, minha visão eu capto por meio da fotografia, e as telas, hoje são as faces das mulheres.
Estudar Direito também foi fundamental para a minha construção enquanto pessoa, sobretudo cidadão, que não se conforma com o não justo, tampouco com as disparidades. Foi determinante pra me dar força e base pra ir atrás do meu sonho e da minha missão de vida: lutar pelos direitos das pessoas, dar voz aos que são calados e visibilidade a quem não é visto e nem lembrado. E assim nasceu, o Lawrence PowerGirls. Power girls é oriundo do ‘’girl power’’, um termo usado para dar empoderamento ao feminino, é um movimento que remete à sororidade entre as mulheres. É usado para falar do poder feminino, independência e autossuficiência. Eu inverti para ‘’Power Girls’’ só por uma questão de sonoridade (coisa da minha cabeça, risos). Mas ok, uma vez que a ordem das palavras não alterou o significado, que traduzindo para o português, significa GAROTAS PODEROSAS.
E no dia 29 de abril de 2021, foi quando entendi como e de que forma poderia contribuir para dar voz, visibilidade e força às mulheres criando o @lawrence_powergirls, no Instagram.
O incentivo, força e apoio das mulheres foi o combustível fundamental e determinante para iniciar a minha missão e projeto de vida.
Sou grato a todas que dia após dia me impulsionam a ir adiante e a não desistir, a empoderar mulheres e lutar pela equidade de gênero em todas as atividades. Conscientizá-las e incentivá-las a reivindicarem os seus direitos, a não permitirem que sejam caladas, a lembra-las que TODAS podem e que todas são bonitas, que os padrões estéticos impostos pela sociedade não passam de uma ilusão, e sobretudo, motiva-las a fazerem e serem o seu próprio padrão de beleza.
SEJA POWER, SEJA POWERGIRL.