C’EST LA VIE

453

Postei, há pouco, na fanpage da TOP 1120, um vídeo do Emerson, Lake and Palmer e viajei nos caraguatás!

Me transportei aos botecos mal-encarados da Comendador Coruja, baixas horas da noite, onde pranteei minhas primeiras desilusões amorosas e paixões inesquecíveis.

Bares pequenos, aconchegantes nas noites invernais de onde a gente saía com cheiro de pastel frito e cigarro bagaceiro. Serramalte era a cerveja da hora e o Minister box estava sendo lançado.

Não sabíamos trabalhar, só estudar e mergulhar na rebeldia contra tudo aquilo que nos contavam: porões, torturas, intransigências e Malagueta, Perus e Bacanaço, do João Antônio e Poema Sujo do Ferreira Gullar.

Encontro alguns remanescentes daquelas épocas, engravatados em ternos escuros, diferentes, sérios. Foi-se o romantismo e a fantasia que a gente não sabia que era fantasia, viramos burgueses envoltos no odiado capitalismo de antanho.

Viramos pais de família com emprego e a conta da padaria pra pagar. Como se diz hoje: fudeu!

C’est La Vie, queridos e queridas amigas! Boas noites pra todos e até amanhã, se Deus quiser!