A vida possui memórias, o dinheiro não

5

Depois de um tempo, você não mais lembrará quanto custou aquela viagem sonhada, mas para sempre você lembrará dos lugares inusitados, das diferenças culturais e das pessoas que conheceste.

Depois de um tempo, você esquecerá o quanto custou aquela hospitalização, mas se sentirá feliz pois ainda podes desfrutar da companhia do querido familiar, ou da magia da presença de um novo bebê na família.

Depois de um tempo, você não lembrará o quanto custou toda a sua educação, mas frequentemente reviverá os momentos de estudos, os amigos, os desafios, as gargalhadas, os professores e as inesquecíveis aventuras daqueles memoráveis tempos.

Depois de um tempo, você não mais recordará o quanto teve que se esforçar e economizar para comprar aquele presente que a pessoa amada tanto desejava, mas certamente relembrará eternamente o brilho dos olhos, a euforia nos gestos e o amor que ela sentiu naquele momento.

Em outras palavras, o dinheiro não tem memória, mas as experiências e os sentimentos possuem uma memória infinda.

Durante a vida, existirão momentos de ascensão e de recessão. Momentos de prosperidade e outros de adversidade. Momentos em que o futuro parece brilhante e abundante e momentos que a incerteza do amanhã aperta o peito de angústia.

Mas, independentemente das flutuações econômicas, o que permanece são as memórias das experiências, é a atitude com a qual você caminha pela jornada da vida, pois existem momentos em que você está economicamente estável, mas a tristeza lhe atormenta, ou momentos onde o mês está mais longo que as economias, mas você ainda encontra uma razão para sorrir.

Ou seja, a vida se constrói através de experiências e se revive por meio de suas memórias e, ao visitar o passado, às vezes, os olhos se enchem de lágrimas de gratidão pelas alegrias e conquistas vividas, enquanto em que outras, o tempo e o espaço nos permite olhar para aqueles choros passados com um sorriso leve no rosto.

Ou Seja, a vida é a maneira como a encaramos e decidimos vivê-la, pois, apesar de ser inegável o fato de as coisas materiais custam dinheiro, é também inegável o fato de que, com o tempo, o custo será esquecido, mas a experiência existirá para sempre.

Então, se a economia está abundante, ou não, isto é independente da atitude com a qual você vive a sua vida, pois se você não consegue se sentir feliz e pleno com o que você tem, certamente você não se sentirá mais feliz se tiver mais bens materiais.

Enquanto isto, lembre-se que cuidar da sua saúde, adquirir novas habilidades, aumentar os conhecimentos, ser gentil com outras pessoas, criar um ambiente de harmonia no lar, motivar os funcionários ou colegas de trabalho, auxiliar a comunidade onde vives, compartilhar seus conhecimentos e experiências, desenvolver-se espiritualmente e viver experiências construtivas, amorosas e fabulosas são atitudes e ações que podem se manifestar independentemente da situação econômica pessoal, ou da economia nacional.

Como consequência, é imprescindível estar ciente, isto é, saber do fundo de nossas consciências que a maneira como sentimos e vivemos cada experiência de nossas vidas não tem nada a ver com o que possuímos, mas sim com a atitude que temos frente ao que é essencial e importante para uma vida mais alegre, mais leve e mais inspiradora. (Tadany – 31 07 19)