Lei que denomina São Borja Capital do Fandango é sancionada por governador

1032
Fonte: DECOM/ Prefeitura de São Borja

O dia 10 de janeiro de 2018 ficará marcado na memória de todos os tradicionalistas do Rio Grande do Sul, que agora têm uma Capital Estadual do Fandango, São Borja. A solenidade ocorrida no Palácio Piratini, no Salão Alberto Pasqualini, foi para que o governo José Ivo Sartori assinasse a lei que denomina São Borja a Capital Gaúcha do Fandango. O evento contou com inúmeras autoridades do município como prefeito Eduardo Bonotto, vice-prefeito Roque Feltrin, o presidente da Câmara André Dubal Silva, e o vereador Élvio Feltrin que sugeriu a lei, o deputado Estadual Lucas Redecker proponente da matéria e representantes de quatro entidades tradicionalistas Centro Nativista Boitatá, CTG Tropilha Crioula, PTG João Manoel e CFTG Farroupilha.

Durante a solenidade, prendas e peões se apresentaram dançando alguns ritmos da cultura gaúcha, dando uma mostra dos motivos que levaram a cidade ser reconhecida como a maior semana Farroupilha do Rio Grande do Sul. Foi exatamente o que prefeito Eduardo Bonotto destacou em seu pronunciamento, em um primeiro momento agradeceu a todos pelo reconhecimento, e frisou que o município realiza durante as festividades do 20 de Setembro cerca de 100 bailes, somando as principais entidades e piquetes. Por fim, falou do compromisso da Administração Municipal em potencializar o título da Capital Gaúcha do Fandango ampliando o trabalho conjunto da Secretaria de Cultura e entidades tradicionalistas, potencializando o turismo, gerando mais renda para o comércio, rede hoteleira e restaurantes.

O proponente da lei, deputado Lucas Redecker, fez deferência ao vereador são-borjense Élvio Feltrin, o qual foi responsável por indicar ao parlamentar a proposição. O deputado esclareceu que a cidade histórica e com muitas particularidades também se destaca pelo tradicionalismo, sendo um município expoente da cultura gaúcha, menção que agora foi contemplada pelo governo do Estado como Capital Gaúcha do Fandango.

O governador Sartori foi o último a se pronunciar, frisou que é necessário valorizar o que é importante, e o deputado Redecker mostra sensibilidade ao indicar São Borja e homenagear a cidade, assim reconhecendo o trabalho que as entidades e Poder Público prestam pela cultura tradicionalista. Encerrou dizendo que a deferência presta duas justas homenagens a primeira a São Borja, pela movimentação tradicionalista, e a segunda ao Fandango, como ritmo e música do Rio Grande do Sul.

O vereador Élvio Feltrin em entrevista a rádios locais destacou que a sanção da lei é uma conquista da comunidade tradicionalista da cidade e que agora o poder público e entidades encontrarão formas de potencializar o título e com isso fomentar o turismo, trazer mais desenvolvimento, renda e emprego. O vice-prefeito Roque Feltrin também lembrou que a partir deste momento, a Secretaria da Cultura e entidades deverão intensificar as atividades já existentes como o Dia de Campo e a escolha dos Casais Fandangueiros a fim de fortalecer ainda mais a Semana Farroupilha na Capital do Fandango.

São Borja chamou a atenção do jornalista Giovanni Grizotti pela qualidade e investimentos das programações das entidades durante a Semana Farroupilha. A partir de uma série de reportagens, Grizotti chamou o município de Capital do Fandango. Aproveitando a distinção dada pelo jornalista, o vereador Élvio Feltrin apresentou a ideia ao Deputado Estadual Lucas Redecker, que encaminhou o projeto de lei, o qual foi aprovado no dia 5 de dezembro de 2017 com 45 votos na Assembleia Legislativa.