Três Perguntas

218
Foto: Arquivo pessoal

O jovem idealista e muito plugado a sua vida como desportista e destacado advogado, João Victor Padilha Wiedenhoft assumiu o desafio de pilotar o Esporte Clube São Borja na busca de ascensão entre os Clubes Gaúchos. João Victor observa que por amar esta terra também deseja cada vez mais através do esporte a projeção do nome de São Borja.

Deco – Porque aceitou o desafio de presidir o São Borja?

João – Ao final do mandato da gestão anterior, não tivemos chapas inscritas no clube. Para quem gosta de futebol como nós, uma situação como essa era muito difícil de assimilar. Sabíamos o quanto uma desistência poderia significar. Era preciso um ato de coragem e intrepidez. E assim fizemos! Colocamos o nosso nome e serviço à disposição para não deixar a chama do futebol se apagar de vez na cidade. Somos sabedores do quanto a nossa comunidade também gosta do futebol por tudo que viveu em décadas passadas e o nosso trabalho visa resgatar este sentimento.

Deco – O bugre tem jeito?

João – Por já termos participado da Diretoria em anos anteriores, sabemos o quão difícil é administrar um clube de futebol no interior do Estado. No entanto, não podemos nos ater às dificuldades, temos que ir em busca das soluções. O futebol está cada vez mais evoluído. Em que pese ser movido pela paixão, ele também precisa ser visto como um negócio. Sabemos que sozinhos não chegaremos a lugar algum. O clube precisa do abraço da comunidade e do apoio do empresariado local. Com uma comunidade engajada e imbuída no mesmo objetivo, não temos dúvidas de que os resultados serão os melhores possíveis.

Deco – Consegue administrar a advocacia com ser presidente de um time de futebol?

João – Esta foi uma condição estabelecida desde que assumimos. A maioria dos diretores têm suas atividades profissionais que são e sempre serão nossas prioridades. Mas felizmente isso é possível por termos uma Diretoria bastante competente e com o organograma definido. A organização interna de um clube é tarefa das mais importantes, com a estruturação de departamentos, que são muitos.