O TOQUE

449

Não, não me refiro ao toque de recolher e nem a algum filme do Godard. Falo sobre o exame de toque, aquele, sabem?

Aos 49 anos resolvi que era a hora de me submeter ao famigerado exame de toque, prevenção do câncer da próstata.

Tenho histórico familiar, por isso mais cuidado ainda. Minha bisavó Etelvina, morreu de câncer na próstata, naqueles tempos algumas mulheres nasciam com próstata e bigode.

Procura daqui, escolhe dali, finalmente achei uma urologista feminina, mulher, uma dama.
No dia agendado lá estava eu, na sala de espera do consultório, escutando Paul Mauriat e folheando uma Fatos & Fotos amarelada pelo tempo e a capa era a Brigitte Bardot, juro!

Confesso que estava nervoso como anão em comício, mas tentando fingir naturalidade, apesar de ser o centro das atenções por estar roendo as unhas do velhote que sentava ao meu lado.

Minha vez; coração batendo mais forte como se fosse o primeiro encontro com a namoradinha adolescente, com a terrível diferença que a minha primeira namorada nem me beijou, imagina uma coisa mais ousada.

Sentei-me e a médica conversou calmamente, perguntou-me sobre amenidades, se eu gostava de ornitorrincos, qual a minha bebida predileta e se eu bebia. Quando eu respondi que sim, que bebia, ela perguntou-me desde quando, e respondi: desde que acordo.
Ela achou uma gracinha a minha resposta e eu resolvi não dizer que estava falando sério.
Minha atenção prendia-se nos dedos da doutora médica, que iria me invadir com um daqueles dez dedos finos e pontiagudos, em seguidinha.

Vesti o avental de bunda de fora e deitei-me de lado para a incômoda invasão. Mas não foi tão horripilante, não. Me vesti, cumprimentei a senhora médica e saí exultante, feliz, convicto!

Quase gritei quando cheguei na rua: Fiz e não gostei, ouviram seus bostas!

Achei uma coisa muito ruim, só faço de novo por obrigação! E me fui contar a boa nova a todos. Liguei pro meu filho, o Lobo, que o exame estava consumado e eu não tinha nada na próstata além da própria próstata! E que nem passava pela minha cabecinha oca pedir uma segunda ou terceira opinião médica!

Beijinhos nos intestinos de todos e todas!