Como evitar Críticas?

16
João estava no clímax do desespero, ou na beira do abismo, então, ele soltou para fora todos os seus demônios, vociferando…

– ”Estou cansado de ser criticado. Estou cansado de ouvir palavras de desmotivação. Estou cansado de ver julgadores olhares de insatisfação, de indignação ou de reprovação no rosto de outras pessoas”

Disse ele com um ar de alívio, ao estranho que estava sentado ao seu lado. E, sem pestanejar, perguntou:

– “Você já passou por isso?”

E a resposta foi imediata

– “Uau, um monte de vezes”

Curioso por encontrar alguém que pudesse lhe entender, ele fez outra pergunta

– “E por algum incompreensível ato de humor do destino, você saberia como parar tudo isto?”

– “Sim”, com mesma convicção anterior, lhe respondeu o estranho

João ficou perplexo com a resposta, pois sua pergunta tinha sido mais retórica e desdenhosa do que curiosa.

Então, para estar seguro sobre o que tinha ouvido, perguntou novamente

– “Tem certeza que você sabe?”

– “Claro” , respondeu calma e convictamente o estranho.

– “A é”, João agora um pouco incrédulo, – “então me diga como fazer isso?”

– “Ok” , disse o estranho com um ar despretensioso, ao que adicionou

– “Mas você tem certeza que quer saber como evitar ser criticado?”

– “Sim”, respondeu João

– “Queres saber como evitar atitudes externas de desmotivação?”

– “Isso mesmo” – agora com um tom mais afoito

– “Quer realmente saber como afastar-se dos invejosos, livrar-se dos caluniadores, distanciar-se dos fofoqueiros e esquivar-se dos fracassados?”

– “Neste momento, quero isto mais do que qualquer coisa no mundo” – contestou João

– “De acordo” – disse o estranho – “então, preste bem a atenção, estás ouvindo?”

João, com os olhos estatelados, apenas movimentou a cabeça num sinal inquestionável de confirmação.

Ao que o estranho, falou

– “Se você quer evitar críticos, desmotivadores, invejosos ou qualquer forma de desmoralização externa, basta você não pensar nada, não falar e não fazer nada e, se assim o fizer, isto é, se nada fizer, ninguém lhe incomodará, pois a tua insignificância será um precioso néctar para adoçar a insignificância dos outros. No entanto, se você pensar livremente, falar lucidamente, agir exitosamente e, ao fazê-lo, ser admirado, reconhecido, recompensado e valorizado pelo que fazes, sempre existirá algum, ou melhor alguns, insignificantes idiotas ou medíocres que estarão te atacando, te insultando e te maldizendo. Ou seja, se você não quer ser criticado, melhor seria ter nascido um vegetal, mas já que você nasceu como um ser humano, é imperativo aceitar a inegável realidade de que a crítica, os julgamentos, as reprovações e as censuras fazem parte da caminhada. Mas aí vem a próxima pergunta, se são inevitáveis, como eu faço para lidar com elas?

– “Isso mesmo” – adicionou apressadamente João, – “o que eu tenho que fazer?.”

– “Bueno, em primeiro lugar, saber quem é você (quais são seus talentos, dons, ansiedades, dificuldades, conquistas e buscas), ainda que sob uma perspectiva temporária, pois o que fostes a dez anos atrás não é mais o que és hoje, mas no aqui e agora, sempre é bom estar cientes das próprias capacidades.

Depois, é importante ter lucidez  para perceber quem está te atacando e o porque a pessoa está fazendo isto, pois na maioria dos casos, se você realmente analisar, as pessoas que nos criticam são como chuvas de verão, ou seja, vem, causam enxurradas, mas passam rapidamente, então, se são passageiras, é bom você carregar seu guarda-chuvas pessoal, ou seja, seu escudo de proteção para diminuir, neutralizar ou remover completamente os indesejáveis respingos alheios.

E, finalmente, é necessário despertar diariamente com uma atitude onde, a qualquer momento, alguém irá me atacar, ofender ou desrespeitar e que, frequentemente, não tem nada a ver comigo, eu apenas era a pessoa errada, no lugar errado, na situação errada e servi de válvula de escape para a manifestação da frustração de outrem.

– “Uau” – disse João – quase que abraçando o estranho com a expressividade de sua palavra e o brilho de seus olhos.

– “Obrigado pelas palavras, agora estou seguro de que continuarei fazendo muitas coisas, falando bastante e pensando ainda mais, pois mesmo que não o fizesse, ainda seria alvo dalgum imbecil que acordou no lado errado da cama e me encontrou no caminho.”

– “Muito bom, disse o estranho calmamente. – “Mas também se lembre que, tão importante quanto desenvolver forças internas para lidar com incontroláveis adversidades externas, é também ter a sapiência de não ser o insignificante e medíocre idiota que critica, julga e desmotiva ou outros a qualquer momento”.

– “Ok” disse João, agora com um ar um pouco mais introspectivo e reflexivo.

E assim, entre a tormenta inicial e a calmaria final, os dois ainda permaneceram no mesmo lugar por algum tempo, cada um em seu mundo, mas ambos em paz.

 

PS: Para citar esta história: Cargnin dos Santos, Tadany. Como Evitar Críticas?.