Grupo multisetorial vai monitorar ações contra o trabalho infantil

23

Encontro nesta terça-feira (08/06), na Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social (SMDS), alinhou diretrizes a serem implementadas pelo conjunto de uma rede de instituições, visando à prevenção e à erradicação do trabalho infantil. O Ministério da Cidadania está repassando as linhas gerais das ações, a serem desenvolvidas em todo o país. O trabalho multisetorial é proposto pela passagem, em 12 de junho, do Dia Mundial contra o Trabalho Infantil.

Além de representantes da SMDS, participaram da reunião também representantes das secretarias municipais de Educação e de Saúde, do Conselho Tutelar e do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (Condica). Estiveram na pauta questões sobre as iniciativas propostas e que serão colocadas em prática, assim como o papel de cada uma das instituições envolvidas. “A nossa secretaria fará a coordenação geral, mas a ação será compartilhada, como um trabalho efetivamente em rede”, segundo destaca a titular da pasta de Desenvolvimento Social, Luciane Bidinoto.

A coordenação executiva dos trabalhos será principalmente do CREAS (Centro de Referência Especializada em Assistência Social). Também terão participação direta os CRAS (Centros de Referência em Assistência Social) na cidade.

O prefeito Eduardo Bonotto lembra que São Borja, já há algum tempo, vem desenvolvendo projetos de combate ao trabalho infantil. “Entre essas ações, podemos apontar o projeto Despertando Valores, que atende dezenas de crianças e adolescentes na comunidade”, diz ele. São oferecidas atividades lúdicas, como aulas de música, dança e brincadeiras de integração e entretenimento, além de reforço pedagógico. Em sentido mais amplo, também funciona no município agora o AEPETI (Ações Estratégicas do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil), este de âmbito nacional.

A secretária de Desenvolvimento Social, Luciane Bidinoto, lembra que São Borja tem dado bons exemplos relacionados ao setor. “Além dos programas e projetos já citados, temos os trabalhos da Casa de Acolhida, um local que foi ampliado e reestruturado, servindo de parâmetro no Rio Grande do Sul em relação à assistência integral às nossas crianças e adolescentes”, ressalta. As ações desenvolvidas nas escolas da rede municipal é outro exemplo citado.

Texto e foto: DECOM SB