Reflexões…

137

Depois da onde religiosidade e de fé, trazidas pela contra reforma, no século XVVII, houve o reflorescimento das tendências artístico-cientificas que marcaram de modo especial o Renascimento. E no Iluminismo, uma das resultantes filosóficas do Renascimento, os pensadores defendem o uso da razão em contraposição a fé.

Pensadores modernos, não conseguem compreender a necessidade de crer, pois afastaram Deus de suas vidas.

Jesus Cristo, para eles não passa de um projeto social, aceita-lonada mais é do que aderir a esse projeto.
E o saber para que viessem neste mundo, e por que viemos, a razão explicaria. Mas a nossa falta de capacidade para explicar o inexplicável, é o que evidência o divino.
O mito explica o inexplicável pela imaginação e pela fantasia.

O inexplicável explicado pela ciência é o natural, a razão. Mas quando explicamos o inexplicável pela fé, estamos diante do divino, e somente a fé, unicamente a fé, identifica o divino.

E assim se contorna o problema.

Para isso, há que se refletir, pensar, estudar, raciocinar, ir além, não se contentar só o que os outros dizem, ou se ouve falar. Referente para justificar, ser o divino, uma revelação ditada por potência extra-universal que teriam revelado essas realidades à alguns privilegiados profetas. No entanto uma reflexão um pouco mais exigente obriga a substitui-lo por conceitos quer permitam uma explicação mais satisfatória dos fatos observados.
Na sua incapacidade de conceber Deus, o homem refugiou-se em representações caricaturais dissimulando-o com atributos humanos.

Antes do Big Bang, que cientificamente deu origem ao Universo e a duração, ou seja ao tempo nada existia.

Mas isto torna impensável, admitir a passagem do nada, para o mundo concreto.