Nos caminhos da Escandinávia

653
Cristiano, Deco e Maristela

Circular pela Europa é reencontrar a cada passo o ontem, com suas profundas raízes de um passado histórico e um presente cada vez mais notável do desenvolvimento social e tecnológico.

Cristiano Garcia, aproveitando seu conhecimento na pesquisa de roteiros excepcionais de viagens, nos traçou um circuito dos mais interessantes e gostosos de se trilhar, iniciado por países escandinavos, depois de uma aterrissagem por Lisboa e Madri. Ao ingressarmos nos países considerados por órgãos internacionais como os mais felizes do mundo se vive uma realidade fora da habitual.

Passear pela Europa sempre nos é concedido o direito de excursionar por grandes e belos Museus, onde intactos retratam épocas preservadas pelo tempo. Tivemos oportunidade de visitar uma dezena desses repositórios culturais e históricos da humanidade.

Cada um mais esplêndido que outro. O Museu do Prado em Madri na Espanha está um dos mais importantes do mundo, com preciosas e deslumbrantes obras de arte, onde nos leva a uma grande viagem nas criações expostas ao público.

Chegamos à Dinamarca quando o sol estava se debruçando no horizonte, mas assim mesmo Copenhague é super colorida por suas belezas naturais e arquitetura, seus vários canais e pontes. Mais da metade da população usa a bicicleta como meio de transporte.

Se você pretende um dia ir à Dinamarca, anote em sua agenda. Visitar o Castelo Rosenborg. Construído em um maravilhoso jardim no coração de Copenhagen, está localizado este incrível monumento com mais de 400 anos de história.

O turista fica perplexo ao ver a preservação de tesouros e jóias da família real, coleções de tapetes e objetos de vidros, aposentos reais e o famoso Salão dos Cavaleiros, onde você encontrará os tronos de coroação e três leões de prata em tamanho real que “estão de guarda”. É imperdível marcar presença.

De lá partimos para Helsinque, capital da Finlândia, poderosa em todos os aspectos, com alto padrão de vida e amáveis com os turistas. Uma cidade super organizada e com amplos espaços públicos, lindos parques e uma vida portuária intensa, onde pegamos um ferry, na companhia de Maristela Dubal Saggin, para a histórica Tallinn, localizada na Estônia, considerada patrimônio da humanidade que nos deixou encantados pelo estilo de vida do seu povo e também pela conservação de centro histórico, chamado Vanalinn, que abriga a mais bem preservada cidade medieval da Europa.

Helsinque

Tallinn

E para um êxtase maior, atravessar o mar báltico a bordo de um navio cheio de atrações, e chegar a Estocolmo na Suécia, é viver tudo o que é de bom. Povo de destacada civilidade além de cidade aconchegante, onde a cada passo se vive uma história e tudo funciona perfeitamente, é uma graça, cidade que é sinônimo de qualidade de vida, isso porque é considerada uma das metrópoles mais limpas, mais organizadas e mais seguras do planeta.

Ir a Suécia e não visitar o Palácio de Drottningholm é algo muito sem graça. É a residência oficial da família real sueca. É simplesmente encantador em seus vários aspectos, com seu povo, belezas naturais e arquitetural. Por isso é considerado patrimônio mundial da UNESCO. E tem mais, seus jardins é um espetáculo cinematográfico.

Entre tantas e inesquecíveis atrações nesse tour, creio que jamais esquecerei nossa presença no teatro da Ópera Real Sueca.  O Teatro é uma coisa além da imaginação arquitetonicamente, com uma série de memoráveis espetáculos. Tivemos o privilégio de assistir “A Flauta Mágica” de Mozart, datada do século dezoito. Um conjunto perfeito entre drama, música e cinema. Espetáculo completo e de uma realçam-te magnitude.

Nesse roteiro, Cristiano não se esqueceu de incluir Oslo. Capital da Noruega, atraente e com grande vivacidade cultural e um elenco de atrações em toda à cidade.

Visitar a Noruega sem ir à Galeria Nacional de Arte de Oslo é imperdoável. Situada no centro da cidade se aprecia belíssimas exposições que não sentimos nem as horas passar. Pois nesse espaço visualizamos obras impagáveis de Cèzane, Picasso, Monet, Renoir e muitos outros famosos. E para a euforia de quem sabe o valor cultural da arte destaca-se obras de Edvard Munch em coleção de sua autoria onde se sobressai “O Grito”.

Não tem como passar despercebido dos visitantes em Oslo, o Nobel Peace Center. É dali que sai o nome de homens e mulheres de maior relevância do planeta que contribuem para a melhoria da humanidade. São instalações simples, mas carregada de emoção, apresentado em lâminas suspensas no ar fotos das personalidades até agora agraciadas com a premiação.

Indiscutivelmente passear por países da Escandinávia é termos uma aula de uma região geográfica da Europa setentrional de países ricos onde a educação do povo apresenta os maiores índices do mundo.