Este Quadro

59

Neste quadro, que não me enquadro

Me encarcero, me desespero, me desterro

Tão bonita moldura, me tortura, que loucura

Suas cores, meus temores, minhas dores

Pendurado numa parede hostil e deserta, quanta sede

Suas pinturas enganosas, tenebrosas, desgostosas

Suas imagens petulantes, desconcertantes, escalofriantes

Quem me impôs este quadro, maltratado, desgraçado?

No entanto, ele parece caber em mim, docemente

Mas eu não caibo nele, me sinto doente

Como quebrar esta moldura que me aprisiona,

Para abrir esta consciência, ampla como uma sanfona?

Ainda não tenho respostas, mas as dúvidas estão expostas

E o medo da dor da mudança, já partiu, doce pujança

Então, entre lágrimas e sorrisos, meu mundo reviso

Pois agora estou consciente, de que neste quadro, não mais me enquadro.