Estamos envelhecendo

144

A população mundial está envelhecendo, e essa tendência se observa também no Brasil, sendo o Rio Grande do Sul um dos estados com a maior proporção de idosos do país, segundo dados do IBGE. A cada ano aumenta a participação de pessoas acima de 65 no total da população. Esse envelhecimento populacional se explica pelo aumento na expectativa de vida e pela redução na taxa de natalidade, atualmente vivemos mais e temos menos filhos.

É interessante observar que esse fenômeno afeta significativamente a realidade econômica e social das famílias, das comunidades e dos países. Em termos sociais há uma profunda mudança nas relações familiares e comunitárias, sendo necessário repensar os espaços públicos e privados para os idosos, e também os arranjos familiares levando em conta os cuidados necessários com os mais velhos.

Economicamente falando, há dois aspectos principais relacionados à maior taxa de envelhecimento da população. Por um lado temos o impacto da redução da população economicamente ativa, com cada vez mais aposentados em proporção aos trabalhadores ativos. Em tese, pode haver uma redução na produção econômica e a sobrecarga nos sistema de saúde e na previdência, com menos recursos para financia-los e mais demanda por serviços. Por outro lado, há uma modificação no perfil dos consumidores e nos produtos e serviços que eles buscam. Uma população mais velha tem necessidade de produtos e serviços específicos para o seu grupo etário, são serviços de cuidadores, profissionais da saúde, casas de repouso, equipamentos de segurança, e até mesmo roupas, móveis e veículos que estejam adaptados ao seu uso. É uma oportunidade para as empresas que focarem nesse segmento.

Não se sabe se o impacto final do envelhecimento populacional será positivo ou negativo na economia, considerando que há muitas variáveis envolvidas. O que é certo é que ele é inevitável e crescente. Famílias, empresas e governos devem estar preparados para essa mudança no perfil da população. Precisamos de estratégias eficientes para acolher os idosos tanto no âmbito familiar, quanto na esfera comunitária. É urgente pesarmos em cidades adaptadas para as pessoas mais velhas, e em estratégias de saúde e lazer para que todos possam envelhecer com tranquilidade, aproveitando o merecido descanso depois da contribuição que já deram às suas famílias e ao seu país.

Tatiana François Motta. 11/07/2018