Ações de combate à corrupção nas empresas serão tema de palestra em São Borja

78

Uma das questões mais observadas pelos empresários do município são ações para manter sempre em dia as questões legais das empresas. Por isso, no dia quatro de abril, a Associação Comercial e Industrial de São Borja (ACISB) promove palestra com o tema “Compliance e Programa de Integridade: Porque e como estruturar”.

Essa atividade será ministrada pelo advogado, especializado em Direito Público e mestrando em Direito, Dionis Leal. Ele vai abordar aspectos importantes dessa temática, esclarecendo dúvidas e orientando os presentes.

Leal explica que o Programa de Integridade é uma parte da Compliance estabelecida pelo governo para seus contratados. Destaca que esse é o mecanismo empresarial mais efetivo no combate à corrupção e disseminação da cultura ética e de integridade, buscando suavizar os riscos e, com isso, proteger a empresa e seus funcionários contra atitudes antiéticas, desvios de conduta e infrações às leis, normas, códigos e demais procedimentos internos.

São severas as penalidades que as empresas sofrem quando estão em desconformidade com as leis relativas ao Compliance. Quando uma empresa é flagrada em uma ilicitude, não só os negócios são prejudicados com multas e proibições, mas a imagem da organização e a sua credibilidade no mercado também são afetadas.

A Lei nº 12.846/13, conhecida como Lei Anticorrupção ou Lei da Empresa Limpa, seu regulamento, e a Lei n° 15.228/18, que tornam obrigatória a presença de Mecanismo ou Programa de Integridade para empresas que façam negócios com a administração pública do Estado do Rio Grande do Sul, exemplificam este contexto.

“Todas as empresas que celebrarem contrato, consórcio, convênio, concessão ou parceria público-privado com qualquer esfera da administração pública do Estado do Rio Grande do Sul, assim como outros estados, estão sujeitas à nova lei”, diz Leal.

A responsabilização é sempre da empresa, independentemente do seu porte ou ramo de atuação, caso seja flagrada cometendo ato de corrupção contra a administração pública, seja por seu presidente, diretor, proprietário, colaborador, fornecedor, terceirizado, ou qualquer pessoa que esteja agindo em nome e por interesse da empresa, independentemente se a cúpula da organização tinha ou não conhecimento do ato corruptivo.

O presidente da ACISB, Wolmi Oliveira, afirma que essa é a uma oportunidade muito importante para esclarecer dúvidas e entender o processo. Diz ainda que cada vez mais é necessário o entendimento das empresas sobre as ações de transparência nas negociações com o poder público.

“Acredito que todos, não importa o ramo do seu negócio, precisam entender esses processos e adequar suas empresas”, falta Oliveira.

A palestra “Compliance e Programa de Integridade: Porque e como estruturar” inicia às 9h e a entrada é franca.

BENEFÍCIOS DA IMPLANTAÇÃO DE PROGRAMA DE INTEGRIDADE OU COMPLIANCE EMPRESARIAL

✓ Eficientização dos padrões de governança empresarial;

✓ Influência positiva no mercado nacional;

✓ Ganho de credibilidade por parte de clientes, investidores, fornecedores;

✓ Redução significativa de casos de fraudes internas;

✓ Prevenção contra atos de corrupção;

✓ Redução de eventuais sanções que podem ser aplicadas à empresa em virtude da Lei Anticorrupção e da Lei Antitruste;

✓ Proteção dos dirigentes contra alegação de culpa por omissão.

POR QUE DEVEMOS FICAR ATENTOS?

Cada ente federado (Estados, Municípios) estão regulamentados a sua Lei. Em algum momento, algo que deve acontecer em breve, os órgãos públicos vão começar a exigir de seus fornecedores o que a Lei da Empresa Limpa determina.

Mesmo para as organizações que não pretendem fornecer para a administração pública no Rio Grande do Sul, há riscos: a tendência em favor da ética no ambiente corporativo aponta para leis similares nos demais estados e municípios. Talvez, os prazos para adequações possivelmente sejam até mais curtos. Logo, deixar de agir agora poderá afetar, inclusive, a sustentabilidade da empresa.